Wednesday, February 19, 2014

A primeira frase desalinhada

....E eis que ele diz:
- Sinceramente, uma mulher casada a falar de homens em calções largos....!
Eu respirei fundo e voltei ao código....

Não se pode morar nos olhos de um gato (e eu que pensava que sim...)






Poema do Desamor 

Desmama-te desanca-te desbunda-te
Não se pode morar nos olhos de um gato

Beija embainha grunhe geme
Não se pode morar nos olhos de um gato

Serve-te serve sorve lambe trinca
Não se pode morar nos olhos de um gato

Queixa-te coxa-te desnalga-te desalma-te
Não se pode morar nos olhos de um gato

Arfa arqueja moleja aleija
Não se pode morar nos olhos de um gato

Ferra marca dispara enodoa
Não se pode morar nos olhos de um gato

Faz festa protesta desembesta
Não se pode morar nos olhos de um gato

Arranha arrepanha apanha espanca
Não se pode morar nos olhos de um gato

Alexande O'Neill (Poeta português, 1924-1986)

Tuesday, February 11, 2014

Tás velho quando...

Lembras-te de um post que escreveste há pouco tempo. Vais a ver e foi há 3 anos......
Mais do que perpetuar a vida, eu quero eternizar momentos, os bons claro, já que os restantes vivem por eles próprios. Mas eu depois explico-vos com mais tempo.

Monday, February 10, 2014

Hoje é um dia não....efectivamente.....dass!

Thursday, February 06, 2014

O calor

E já que o tempo não aquece, os amigos fazem-no por ele! Quanto a vocês não sei, mas para mim não há nada mais quentinho do que chegar de manhã e encontrar um email, uma mensagem, um rascunho - qualquer coisa! - com as palavras aconchegantes de um amigo! Abre-se um sorriso natural, sem precisar de convencer ninguém ou justificar alguma coisa. Tenho uma label Amigos onde os guardo todos. E é disto que sou feita.

Tuesday, February 04, 2014

Informação

Informamos os nossos estimados leitores que este espaço se encontra temporariamente deprimido. Para coisas alegres e/ou fúteis, por favor volte dentro de alguns meses.

Obrigada.

A gerência.

Big Black Hole & The Little Baby Star

"You're always gonna find problems 
That's just the way things are 
Now how you choose to deal with them 
make problems what they are "

Monday, February 03, 2014

Amigo é, mais do que sofrer contigo, sofrer por ti. Estamos juntos. Para sempre.

Hoje

Ainda tiro quatro pratos para a mesa.
Ainda levo duas fronhas para a cama.
Ainda digo nós.
Ainda sinto que me falta alguma coisa na mão esquerda.
Ainda oscilo no humor e no querer.

O pior já passou. E amanhã será um outro dia.

A hundred reasons






I hate to see the shadows
Form around your eyes
It takes me quite a while, to smile

When all is said and done
Is this the end?
No this is where we find a hundred reasons
Not to grow apart
Not to grow apart

We'll never break apart
I will follow you into this
I will make sure we stay right here
I will find a way to stay alive
I will follow you into this
I will make sure you'll stay right here
I will find a way to stay alive
I will follow you into the end

The laughter and the lie in our life
That is where I find, a hundred reasons why

I will follow you into this
I will make sure we'll stay right here
I will find a way to stay alive
I will follow you into this
I will make sure we'll stay right here
I will find a way to stay alive
I will find a way to stay alive
I will follow you the way back home
I will find a way to stay alive
I will follow you into the end
I will make sure we'll stay right here
I will find a way to stay alive
I will follow you into this
I will make sure we'll stay right here
I will find a way to stay alive
I will follow you into this
I will make sure we'll stay right here
I will find a way to stay alive
I will follow you into the void

Viver o ontem

“Viver é ser outro. Nem sentir é possível se hoje se sente como ontem se sentiu: sentir hoje o mesmo que ontem não é sentir – é lembrar hoje o que se sentiu ontem, ser hoje o cadáver vivo do que ontem foi a vida perdida.
 
Apagar tudo do quadro de um dia para o outro, ser novo com cada nova madrugada, numa revirgindade perpétua da emoção – isto, e só isto, vale a pena ser ou ter, para ser ou ter o que imperfeitamente somos.
 
Esta madrugada é a primeira do mundo. Nunca esta cor rosa amarelecendo para branco quente pousou assim na face com que a casaria de oeste encara cheia de olhos vidrados o silêncio que vem na luz crescente. Nunca houve esta hora, nem esta luz, nem este meu ser. Amanhã o que foi será outra coisa, e o que eu vir será visto por olhos recompostos, cheios de uma nova visão. (...)"


Bernardo Soares (semi-heterônimo de Fernando Pessoa), em “O Livro Do Desassossego”