Tuesday, January 21, 2014

Como é que se esquece?

"Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo." Esta foi a melhor frase deste texto que a minha gaija me fez chegar. Ela que me conhece tão bem e que sempre esteve comigo, não apenas nas grandes noites de ramboia, como também em momentos de amargura e desgosto semelhantes (mas nunca antes tão intensos!) como este. E fez-me bem ler e pensar sobre aquelas frase que tão bem se aconchegam ao que sinto. Eu partilho da mesma opinião, ou de uma em tudo semelhante, é preciso fazer o luto, é preciso aceitar, é preciso arrumar as dores na cabeça porque no coração está tudo chocalhado, está tudo desarrumado e do avesso. É preciso manter a racionalidade, é preciso reiventar a história para se poder acreditar num futuro, é preciso ter fé e acreditar que há caminhos muito para além do que conseguimos compreender, é preciso por vezes não compreender, porque como dizia o Bicho, há uma altura em que deixamos de tentar explicar porque não existe explicação que nos console. E é disto que somos feitos: uns dos outros, porque sozinhos não somos nada. É por isso que não estou sozinha, que nunca estive.
De nada vale fingir que não aconteceu, enterrar a cabeça na areia, ocupá-la muito com trabalho e coisas, coisas, coisas, coisas..... se um dia ou outro, teremos que voltar àquele pensamento, àquela dor adormecida que pode, caso a ignoremos, passar a fazer parte de nós. Eu prefiro ocupar esse espaço com o perdão e com uma ou outra lembrança boa, porque esquecer é definitivamente impossível.

E termina assim:

"O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar. "

É tudo uma questão de o deixar correr. E deixo.

Monday, January 20, 2014

Um dia de cada vez

Os domingos são dias difíceis, mas um bom amigo tem sempre um sorriso no bolso. Obrigada N. por tudo.

Friday, January 17, 2014

O que é nosso

De facto, nada é verdadeiramente nosso, nem tão pouco a nossa própria vida, que estranhamente sendo nossa e própria, não nos pertence. E nós que passamos o tempo a fazer planos e a decidir e escolher caminhos, para no entanto tudo ser volátil, tudo se resumir a nada de um momento para o outro, de um instante para um segundo tudo perder o significado, o interesse, a importância, a veracidade. Talvez não seja o tudo ou o nada, mas apenas parte da condição humana que nos permite ser assim, ocos, vazios de nós próprios, pouco para o que esperam de nós. Talvez nos seja permitido, como tudo o é, mas sermos ou não, isso, cabe-nos a nós decidir.

Amanhã, é outro dia.

Doença

psi·co·pa·ti·a 
(psico- + -patia)
substantivo feminino
1. [Psicopatologia Designação genérica das doenças mentais.
2. [Psicopatologia Desequilíbrio patológico no controlo das emoções e dos impulsosque corresponde frequentemente a um comportamento anti-social.



Não esqueçamos que:

an·ti·-so·ci·al 
adjectivo de dois géneros
Contrário à boa ordem social. = ASSOCIALINSOCIAL ≠ SOCIAL

Thursday, January 16, 2014

"És tu que amas, não é a pessoa que é aquilo que tu amas." Portanto, sou eu que vou deixar de amar e não  a pessoa que vai deixar de ser objecto do meu amor. Ou ambos. Na verdade, sou eu que transporto o sentimento, é meu, está em mim, pertence-me. Cabe-me a mim fazer dele o que entender. E vou fazer.

Tuesday, January 14, 2014

O meu pai sempre disse

Amigos, até no inferno. E como sempre, tem razão. Valham-nos os amigos.

Monday, January 13, 2014

E tudo isto me tem feito pensar muito neste conceito. Sejamos abertos, de mente e de coração, sempre de coração. Os outros, são todos aqueles que não somos nós próprios, os semelhantes. E sozinhos não somos nada.

Friday, January 10, 2014

Este gajo sabe da vida...

“É sempre a mesma merda.”

“Por favor, fica comigo”, era o que ele devia dizer, as mãos tremiam-lhe, a voz não sabia o que fazer ao que doía, e acabou por sair aquilo, um grito de socorro disfarçado de declaração de guerra, o pior de amar não é aquilo que amar nos obriga a fazer mas sim aquilo que amar nos impede de fazer, e pensar é estranhamente uma dessas coisas.

Pedro Chagas Freitas

Thursday, January 09, 2014

“I can't go back to yesterday because I was a different person then.” 
― Lewis CarrollAlice in Wonderland

Wednesday, January 08, 2014

E é isto....







Perguntares como é que eu estou não e quanto baste
Quereres saber a quem me dou não é quanto baste
E dizeres para ti morri é um estranho contraste
Nada mais te liga a mim tu nunca me amaste
Telefonas para saber como vai a vida
E mais feres sem querer minha alma ferida
E assim rola a minha dor pássaro ferido
Que não esquece o teu amor estranho e proibido
Deixa-me só por um dia
Deixa-me só por um dia
Minha fria companhia
Minha fria companhia
Dizes ser tão actual ficarmos amigos
No teu jeito natural de enfrentar os perigos
Sem saberes que tanto em mim ainda arde a chama
Que não perde o seu fulgor que ainda te ama
Deixa-me só por um dia
Deixa-me só por um dia
Minha fria companhia
Minha fria companhia
Minha fria companhia

Tuesday, January 07, 2014

Vantagens de ter um amigo gay:

1. Ele não te quer comer (muito importante!)
2. Ele troca opiniões contigo sobre outros gajos
3. Ele diz-te se a tua roupa não te fica bem (isso faz-te gorda!)
4. Se for preciso, ele passa por teu namorado (esta vai com o ponto 1)
5. Para todos os efeitos estás a sair com um gajo (pode ou não ser uma vantagem)

Estas são as 5 principais, mas creio que existam muitas mais, é uma questão de se pensar melhor sobre o assunto. Para mim, estas chegam :)

Ólafur Arnalds

Descobri isto,


Que, mais uma vez, foi o Pintinhas que me mostrou. E é sempre nestes momentos e são sempre estas melodias que encaixam tão bem na melancolia dos meus dias. Vai ser assim, com altos e baixos, uns melhores que outros, uns menos difíceis que outros, mas por agora todos os dias vão custar a passar. E esta luta é minha, vou ter que a vencer sozinha, vou ter que vencer estes meus momentos de apenas eu e a música, as lágrimas e a dor. Vai passar. Eu vou conseguir porque nunca estou sozinha.

Monday, January 06, 2014

Friday, January 03, 2014

E assim se passaram seis anos....

Há seis anos foi assim. E é por isso que é bom ter um blogue em ar de diário, porque nos podemos ver há uns atrás, porque não permitimos esquecer a nossa evolução, o que um dia fomos e o que agora somos. Há seis anos atrás estava ali toda aquela inocência e força próprias da idade, toda aquela vontade de devorar a vida, toda aquela fé. Não quero perder nada disso e por isso uma das decisões para este ano é voltar atrás para recuperar essa fé, para ter a certeza que não a perco, a das pessoas. E para isso é preciso tempo e por isso vou reservá-lo para mim, para escrever mais, ler mais, sentir mais e viver mais. Este ano vão haver muitos novos anúncios, assim o espero e farei por isso.
Fazia tudo outra vez, por mais que soubesse o que ia doer, fez de mim a pessoa que sou. Quando me voltar a encontrar, eu aviso-vos. Até já.

Thursday, January 02, 2014

Ouvi dizer


Ouvi dizer que o nosso amor acabou.
Pois eu não tive a noção do seu fim!
Pelo que eu já tentei,
Eu não vou vê-lo em mim:
Se eu não tive a noção de ver nascer um homem.
E ao que eu vejo,
Tudo foi para ti
Uma estúpida canção que só eu ouvi!
E eu fiquei com tanto para dar!
E agora
Não vais achar nada bem
Que eu pague a conta em raiva!
E pudesse eu pagar de outra forma!
Ouvi dizer que o mundo acaba amanhã,
E eu tinha tantos planos pra depois!
Fui eu quem virou as páginas
Na pressa de chegar até nós;
Sem tirar das palavras seu cruel sentido!
Sobre a razão estar cega:
Resta-me apenas uma razão,
Um dia vais ser tu
E um homem como tu;
Como eu não fui;
Um dia vou-te ouvir dizer:
E pudesse eu pagar de outra forma!
Sei que um dia vais dizer:
E pudesse eu pagar de outra forma!
A cidade está deserta,
E alguém escreveu o teu nome em toda a parte:
Nas casas, nos carros, nas pontes, nas ruas.
Em todo o lado essa palavra
Repetida ao expoente da loucura!
Ora amarga! Ora doce!
Pra nos lembrar que o amor é uma doença,
Quando nele julgamos ver a nossa cura!





É mesmo isto

O Papa Francisco é um homem muito sábio. A juntar a isto tem o nome do meu avô paterno que está no céu a zelar por nós.

" Não chores pelo que perdeste, luta pelo que tens.
Não chores pelo que esta morto, luta pelo que nasceu em ti.
Não chores por quem te abandonou, luta por quem está contigo.
Não chores por quem te odeia, luta por quem te quer.
Não chores pelo teu passado, luta pelo teu presente.
Não chores pelo teu sofrimento, luta pela tua felicidade.
Com as coisas que nos vão acontecendo vamos aprendendo que nada é impossível de solucionar, apenas seguir em frente."
Papa Francisco.

Eu sei que é mesmo isto, eu sei. Estou em fase de mentalização. O pior já passou, agora terei mesmo de seguir em frente.

Wednesday, January 01, 2014

2014, o ano da mudança

Li num livro de Paulo Coelho que apenas três coisas nos levam à mudança: o amor, os sonhos e o sofrimento. Terminei 2013 com um misto de tudo isto. Não há como não mudar, não há como não dar a volta por cima e fazer deste 2014 um ano de mudança. E para melhor melhor muda-se sempre.