Friday, June 22, 2012

Silêncio

Descobri isto:




A dar para o deprimente, mas bom. :)
Irritam-me pessoas que só pensam nelas próprias, que se movimentam de acordo com os seus interesses e que sorriem apenas como meio para um fim. Irrita-me quando conseguem o que querem, quando arrastam multidões para o fundo das suas decisões e quando escolhem por todos aqueles que são demasiado tímidos para decidir diferente. Irrita-me pensar que estas pessoas conseguem efectivamente o que querem, muitas vezes ainda convencidas que ajudaram muita gente, que fizeram uma boa acção. Irrita-me sozinha não ter a voz suficiente para as parar, para fazer ver aos mais reservados que não há boa vontade naquela atitude, que a manipulação é uma linguagem que nem todos entendemos. Mas parece que a diferença também é isto, é uns serem de uma natureza mais manipuladora do que outros, é uns terem tido em casa o ensinamento da partilha e outros não, é uns já terem percebido que ninguém vence sozinho e outros não. Por isso temos que manter a voz alta, segura, para que não pensem que não estamos atentos, que não estamos a ouvir falar a outra língua. No entanto, penso muitas vezes que vão para casa sozinhos, vazios deles próprios, apenas com tudo aquilo que fingem o dia inteiro, tanto, que nada à sua volta é real, nem as relações, nem as pessoas, nada é verdadeiro, apenas a ilusão da ideia de ser...

Uma pena, se ao menos investissem essa força, essa inteligência, em dar, receberiam tanto de volta e ganhariam todos os dias. O meu pai diz muitas vezes, quem pratica o bem, para si o pratica. Parecendo egoísta, a procura da realização dos outros para chegar à nossa própria, não o é, porque na nossa condição humana, esta é a única forma de reconhecer o bem que praticamos: senti-lo. Sem vazios.

O espaço

Gosto deste espaço, que sendo público sinto privado, onde escrevo o que me apetece, onde divago sobre assuntos mais ou menos intensos, onde escrevo tantas vezes para outros e digo que estou a escrever para mim. Gosto de acreditar que não é passageiro, que não é efémero, que tem a importância que lhe dou e que me pertence. Pelo menos até os senhores do Google dizerem o contrário, se assim fosse tinha que pegar nas tralhas e sair de mansinho. Não o troco por um "mural", por umas frases soltas que disparam para centenas de pessoas que "adicionamos" como amigas. Não acredito que uma coisa substitua a outra, nem que uma se afirme e sobreviva perante a outra. Eu não troco e vou manter o compromisso - que é diferente da obrigação - de continuar a escrever. Ainda que seja só para mim.

Thursday, June 21, 2012

O caracol, esse bicho gostoso

No passado domingo houve caracolada no terraço. Quem me conhece sabe que não foi por Portugal ter jogado, foi só porque havia a boa disposição de um grupo de amigos dispostos a partilhar uma tarde de primavera e umas boas gargalhadas. Nada melhor do que caracóis para acompanhar a tarde, porque na verdade, caracóis é um petisco que vai bem com tudo. A peninha é que a malta cá de cima ainda não tenha descoberto isso. A culpa é essencialmente cultural e preconceituosa. Ninguém lhes ensina a comer e todos os acham nojentos, então nunca se prova e por isso nunca se sabe se se gosta, mas vive-se na eterna certeza de que não, não gostam. Enfim, depois de passar uma tarde à procura de uma esplanada onde servissem caracóis, decidi que da próxima vez que fosse a casa dos papás, trazia de lá os bichos e havia de os fazer cá. E assim foi. Lá vieram os 5 litros - e não kilos!! Porque o caracol vende-se ao litro e não ao kilo, de outra forma bem que podiamos lá estar ainda a comê-los - que preparei à moda da mamã e que ficaram uma delícia! E como as coisas boas são para partilhar, aqui vos deixo a receita, a tradicional, simples, caseira (e sem bacons e chouriças), a receita dos caracóis:


Para 5 litros (e não kilos!):


  • Lavar os caracóis muito bem lavados, aproximadamente durante 1 hora. Colocam-se num alguidar e enche-se de água, em cada mão seguramos alguns e esfregamo-los uns nos outros, dentro de água. O processo repete-se algumas vezes, depois cada mão cheia passa para um alguidar vazio que depois se volta a encher de água para se lavar mais uma vez.
  • Depois de bem lavados, isto é, quando a água estiver limpa, colocam-se os caracóis num tacho e cobrem-se de água. Ficam em lume muito brando (5 na placa de indução) até ao levantarmos a tampa, nenhum deles lá estar colado - quando já estão a dormir :) Assim todos ficam com a cabeça de fora porque adormecem muito lentamente.
  • Nesta altura podemos levantar o lume, mas não muito para não vir por fora e colocar os temperos:
    • 10 dentes de alho descascados
    • 3 caldos knorr de galinha
    • 4 malaguetas
    • Sal grosso q.b.
    • Oregãos secos q.b.
  • Para os caracóis ficarem bons de sal, a água tem que estar salgada; também é aconselhado retirar os oregãos antes de servir, porque ao ficarem na água, podem intensificar demasiado o sabor, por isso normalmente usamos ramos de oregãos, ao invés das folhas em sacos.
  • Fervem por 20 minutos, onde é normal aparecer uma espuma ao de cima do tacho, vai variar com a qualidade dos caracóis e deve ser retirada com uma espumadeira.

E é isto, garantidamente deliciosos, combinam com uma tarde de sol, umas minis e boa companhia!


O amigo Ambiente

No Jumbo:

A senhora da caixa - Boa tarde, como hoje é dia do ambiente estamos a vender sacos ecológicos em que um euro reverte a favor dos Bombeiros. Está interessada?

Eu - Obrigada, mas eu trouxe o meu próprio saco e também vim de bicicleta, por isso acho que por hoje já fui muito amiga do ambiente
Na altura até pensei que o ambiente é que não estava a ser assim tão meu amigo, já que estava a chover, mas enfim, os amigos perdoam-se mutuamente...

Senhora da caixa - Não quer ajudar os bombeiros, então?

Eu - Não vou querer o saco, não. Obrigada.


E é então que a senhora da caixa começa a empilhar os produtos ao seu lado.


Eu - Mas não me vai dar sacos nenhuns?


Ela - Não, hoje é dia do ambiente.


Eu - E por isso obrigam as pessoas a comprarem os vossos sacos?


Ela - Não, por isso não damos sacos de plástico. Mas como a senhora tem compras superiores a 25 euros, vai levar um eco-bag grátis!


Espectacular este conceito de ser amigo do ambiente. Aposto que se o ambiente tivesse facebook não era amigo desta gente....

Wednesday, June 20, 2012

Oi? Está aí alguém?

Aaahhh isto está muito mortiço...!! Então? Está tudo tão calado...o problema não são vocês, sou eu., a sério, isto não é o que parece... :)

Aqui fica com um ar de sua graça, a versão da "galinha da vizinha é sempre melhor que a minha" aplicada  a "maridos".