Friday, September 11, 2009

Para quem não sabe:

"A palavra yôga deriva da raiz sânscrita YUJ que significa Reunir ou Unir e por extensão União. A sua origem está na Índia Antiga, embora actualmente existam vários ramos, que combinam posturas antigas com outras mais recentes.

O yôga é um método natural que elimina o stress e aumenta a capacidade física, fornece ritmo e coordenação e tem um grande efeito no desenvolvimento emocional e intelectual. No entanto, pode ser praticado por todos os tipos de razões: para permanecer em forma; permanecer saudável ou recuperar a sua saúde; equilibrar o sistema nervoso; acalmar a mente ocupada e viver de um modo mais preenchido.

Parte das posturas (ásanas) não só desenvolvem os músculos como também possuem um papel de extrema importância na regulação do Sistema Neuro-Hormonal.

Um dos ramos mais recentes do yôga, mas directamente proveniente do yôga mais antigo é o Samkhya (que significa literalmente número) – o Hatha . Traduzido do sânscrito, Hatha significa Sol e Lua (forças opostas que se complementam.

Misturado com os ásanas provenientes do Hatha yoga, introduzem-se também mantras (vocalizações de sons), kryas (purificações), pranayama ( o controle da respiração), técnicas de relaxamento e meditação.

Terá também acesso a informações, sutras (pensamentos e ensinamentos do yôga), workshops, acompanhamento nutricional (se assim o pretender), aspectos filosóficos e históricos do yôga.

A título de curiosidade um dos sutras do yôga diz-nos que devemos ser persistentes, mas que não devemos preocupar-nos com os resultados. Na prática que realizamos, este sutra aparece com fundamental no relacionamento entre todos os praticantes: a não competitividade. A evolução, o ritmo, as persistências serão sempre as nossas. E nunca comparadas com as de ninguém."

Não posso dizer que tenha mudado a minha vida, por si só, mas ajudou bastante. Corpo são, mente sã. :)

1 comment:

neqm said...

A parte mais importante não está incluída.. a reunião/união é com Deus. Yoga é a ciência de união com Deus.

Beijinhos,
Nuno