Monday, August 28, 2006

Exortação

Quero dizer-te que tens medo de viver. Deixas-te de arriscar, de querer, de sentir...quase de viver. Pensei que fôssemos amigos, mas ficas-te là atràs, agarrado ao egoísmo do sentimento inexistente que te consome a personalidade....o mesmo que consumiu a nossa amizade. Agora vais saber o mesmo que os outros: nada.

"Exortação

Em nome do teu nome,
Que é viril,
E leal,
E limpo, na concisa brevidade
— Homem, lembra-te bem!
Sê viril,
E leal,
E limpo, na concisa condição.
Traz à compreensão
Todos os sentimentos recalcados
De que te sentes dono envergonhado;
Leva, dourado,
O sol da consciência
As íntimas funduras do teu ser,
Onde moram
Esses monstros que temes enfrentar.
Os leões da caverna só devoram
Quem os ouve rugir e se recusa a entrar.
"

Miguel Torga

És tu quem tem que viver com isso para o resto da vida......

Wednesday, August 23, 2006

Aos pais....

Quero dizer-te que vos AMO.
Aos pais, aqueles dois seres que às vezes nem parecem humanos, que nos amam incondicionalmente, que compreendem tudo, que sabem tudo (mesmo quando nós não sabemos que sabem), que têm sempre uma resposta, que acreditam mais em nós que nós próprios, que dizem sempre pacientemente "eu avisei-te", que estão sempre lá e que eu amo muito! Enfim, eu sempre disse.....os pais têm sempre razão!

Desde o primeiro passo.

A insegurança de cair, a oscilação de todo o mundo à nossa volta, o desequilíbrio do chão.
O aprender a cair. O choro que vinha seguir... A doçura de um abraço quente.
O correr, o tropeçar, a queda rente, a lágrima de desilusão.
A primeira palavra, o primeiro grito... de alegria, tristeza... aflito!
O primeiro “não consigo...” o vosso primeiro “consegues!”
A primeira zanga: “ será que não percebes?!”
A primeira construção.
O primeiro “quartel” de combate... de imaginação!
A primeira brincadeira: os fatinhos das bonecas, os carrinhos de madeira.
O primeiro medo, aflição... o coração na mão.
A primeira consciência, o pensamento castigado.
O nosso eterno amor e um infindável obrigado!



A vocês, que me deram vida, forma, ser......tudo o que sou!

Amigo...

Quero dizer-te que és um bom amigo, que sempre estiveste cá, mesmo quando nenhum de nós via....
Agora que sarámos a vista, que descobrimos a pura amizade, quero dizer-te que te *adoro* e que vou carregar contigo o negro que te persegue até que ele desista de nós....porque nós não desistimos!
Irmãozinhu, vamos pintar uma aguarela de alegrias partilhadas?

Fugir....não?

Quero dizer-te que tive medo. Também, quem é que nunca teve medo?....do escuro que seja? Eu tive medo de sentir...mas quem não tem? É certo que fugir não é solução para nenhum problema, mas por vezes os meus pensamentos voam em direcção a essa saída que nunca passa do papel (ou do teclado :p)....



Fugir


Queria perceber-te para me encontrar.
Queria perceber o que é amar.
Queria saber onde esse sentimento me leva,
porque não te entrega...


Queria tanto conhecer o depois,
o amanhã, o longe, o perto.
Queria não ter este aperto,
quando tento compreender.


Queria fazer parte de ti.
Queria ter-te aqui.
Queria dizer-te que sim,
que amanhã sim....


Queria que acreditasses,
que me levasses.
Queria me apaixonar
e nunca mais chorar....

Queria poder fugir,
queria te fazer sentir
a minha força, a minha fé,
queria dizer-te o que és...



Queria acreditar em mim.


Hoje quero fugir, mas na direcção oposta...... e leões.................

Perfeito....

Quero dizer-te que foi tudo perfeito. Hoje sorrio.

Branco

E tudo se cobriu de brancura,
como a nossa inocência: pura.
Ficamos nós, transparentes,
quentes.


Ficou o abraço apertado,
o beijo desejado.
Ficaram duas mãos enlaçadas,
como se não houvesse nada.


E sentir o calor
das tuas lágrimas,
conhecer essa tua dor,
afastá-la com amor.


Partilhar a tua vida,
bebê-la de exaustão.
E ver sentida
toda aquela paixão.


Ler o teu pensamento
e embriegar-me de sensações.
Saber que não estavas dentro
das minhas soluções


Doeu.
E saber que não és meu,
nem teu.


És uma divisão de sentimentos
a uma distância de palavras.
Uma decisão de pensamentos
com datas marcadas.


Sou quem sente saudade,
mas que tem que viver
nesta realidade...
De verdade.

Querer...

Quero dizer-te que ceguei de tanto querer, não sei ao certo o quê....nunca vou saber!

Queria apenas que me ouvisses, que não fugisses
Que me deixasses apenas contar, chorar...
Queria apenas saber se sentes correr,
se queres por querer!

Onde está agora o teu sorriso?
Se alguma vez chegaste a sorrir...
Quem quer agora fugir?

Talvez devesse apenas esquecer,
deixar morrer...
Quem sabe até matar, não deixar mais notar
Que aquilo que sinto vai mais longe do que acredito.

Apenas não controlo, solto.
Quem me dera controlar, parar
Pensar, evitar sofrer.

Quem me dera acreditar que te perdi
para não mais esperar que voltes a ti.
Quem me dera não viver aqui
e poder sentir-te dentro de mim...



Sê feliz......mas inteligente!

Quebrar...

Quero dizer-te que foi bom ter quebrado, na altura certa...tenho cá tudo guardado e foi positivo.

Agora que parti...

Foi tão bom ter-te perdido
Como ter-te encontrado.
Tudo o que tinha vivido,
Fica agora muito mais marcado

No meu viver, conhecer,
Na minha experiência de amar
Em todo o meu poder
Perdoar....

Na verdade, houve um dia
Que não fui tua, de ninguém.
Apenas pedia...
Que houvesse alguém

Que me ouvisse,
Que acreditasse
No que vivíamos!
Não notando eu

Que não mais eras meu.
Apenas existias ali,
Não para nós,
Para ti.

Um dia decidi partir,
Dizer ao mundo que amar
Não era mais o meu sentir,
Dizer que parar
Não era desistir...


Vês, foi bom!